Baywatch (2017) | Crítica

Tempo de leitura: 2 minutos

De Rodrigo Orosco

Baywatch é baseado na antiga série SOS Malibu e chega aos cinemas para fazer você pensar em quase nada.

Baywatch é dirigido por Seth Gordon, diretor de filmes de comédia como Quero Matar Meu Chefe e Uma Ladra Sem Limites. O elenco do filme conta com Dwayne Johnson, Zac Efron, Alexandra Daddario, Jon Bass e Kelly Rohrbach como a equipe salva-vidas e Priyanka Chopra no papel de vilã. Não podemos esquecer da participação especial de David Hasselholff e Pamela Anderson presentes na série original.

A história é centralizada no salva-vidas Mitch Buchannon (Dwayne) que é respeitado e admirado pela população por levar muito a sério o seu trabalho com total dedicação. Porém, no decorrer do filme, um evento anual onde normalmente se contrata um novo salva-vidas para fazer parte de sua equipe, surge Matt Brody (Zac Efron), ex medalhista olímpico. Mitch e Matt passam boa parte do filme numa disputa de egos, onde um é o responsável e o outro um pretensioso que não sabe trabalhar em equipe, ao mesmo tempo surge uma conspiração criminosa que pode fazer eles perderem a baía.

Infelizmente não há atuações que se salvem na trama. A história tinha tudo para dar certo, se não fosse pelas piadas forçadas típicas de filmes pastelões americanos, mas falta muita coisa na trama para o desenvolver o roteiro. Poderiam ter desenvolvido mais como Matt foi virar um salva-vidas. O filme é bastante apelativo sexualmente, abusando e muito de cenas de câmera lenta focados principalmente em seios, bundas e em corpos sarados.

Tirando todas as falhas e forçadas do filme, Dwayne e Zac apresentam uma química boa entre eles, tirando bom proveito dos contrates entre os dois personagens.

Se esse filme tentou trazer de volta a nostalgia dos anos 1990 na tela grande, não teve muito êxito. Entra na lista de mais um besteirol americano ao estilo de American Pie. Mas! Se você procura um filme para dar risadas e não precisar pensar em nada e quer ver corpos sarados seminus, é uma boa pedida.

Nota   (5)

Assinatura Sete de CopasSete de Copas, amor pela sétima arte e games.